Studium 41

Studium 41

fecharEditorial Studium 41

Lygia Neri

Lygia Neri - [in memoriam]

A revista Studium completa vinte anos de existência e apresenta uma edição comemorativa da data com destacados nomes da pesquisa acadêmica e da produção artística nacional e internacional. Foi proposto para cada convidado que escolhesse um livro sobre fotografia, ou um fotolivro, ou um livro fotográfico, que tivesse uma marcante influência em sua vida acadêmica e/ou artística. A ideia foi trazer pulsões que moveram esses autores no encontro com esses livros importantes em suas vidas pessoais e que, no reencontro com tais obras num momento recente ou mais atual, se fazem presentes até os dias de hoje em suas memórias sobre o objeto referencial escolhido entre muitos de suas bibliotecas.

Marc Lenot discute a obra da artista norte-americana Alison Rossiter e seu livro Expired Paper (2017). A artista trabalha com materiais históricos abandonados e vencidos no tempo, para resgatar imagens e traços do passado; podem ser digitais de algum operador de laboratório, e isso implica resultados ligados ao acaso, desgarrando-se de formas tradicionais da imagem fotográfica. Tereza Siza encontra identidades no livro Lisboa, cidade triste e alegre (1959). Analisando a produção dentro do plano nacional e internacional, Siza ressalta o caráter inovador dos autores, Victor Palla e Manuel Costa Martins, arquitetos, que fotografaram a cidade durante três anos e atribuem um conceito de “poema gráfico” na formulação do livro – com uma autoria comum de todas as fotografias. Antonio Ansón faz uma reflexão sobre o livro Quelli di Bagheria (2002) de seu amigo e companheiro de reflexão Ferdinando Scianna, nesse caso sobre o modelo narrativo baseado no álbum de família, e também adentra a concepção gráfica da obra.

Silvia Pérez Fernández e Philippe Dubois se debruçam sobre dois livros clássicos da história da fotografia. Pérez Fernández analisa a teoria por meio da qual Gisèle Freund estuda a fotografia francesa do século XIX, particularmente a concepção de ideologia no livro La fotografía y las clases medias en Francia (1946). Já Dubois busca um novo desafio de discutir aspectos do paradigmático livro de Roland Barthes, La chambre claire, no qual identifica não somente um livro “sobre a fotografia”, mas, segundo o autor, um livro “contra o cinema”, e lança mão também de outros textos de Barthes para indicar a importância do gesto analítico do “congelamento da imagem”.

Alexandre Sequeira escolhe o livro Retratos da garoupa (2010), da artista visual Fernanda Grigolin, e analisa-o em uma óptica pessoal a partir do conceito de autofabulação de Serge Doubrovsky e dos conceitos de ruína de Walter Benjamin. O autor parte do princípio de que as ficções são formas concretas de abranger nossas experiências pessoais e como lugar de transpor fronteiras afetivas. Nesse mesmo sentido, Carma Casulá relata seu encontro com o livro Beth (fotografias de Kent Klich e textos de Beth R, Cornell Capa e Bengt Börjesson, de 1989), em uma loja de livros usados, e relata seu fascínio pelas perturbações da proposta e pela obra aberta para o seu leitor, que a impacta até hoje como inspiração. Rosângela Rennó também relata o seu encontro fortuito com um pequeno livro, I am so Happy (de Marvin Heiferman e Carole Kismaric, 1990), que continha as imagens descartáveis com fotografias publicitárias realizadas entre os anos 1950 e 90, e com forte crítica ao american way of life. A descoberta desse livro induz às preocupações da artista com as questões de memórias, ruínas, arquivo e esquecimento das imagens fotográficas presentes em suas obras desde aquele encontro. Para os conhecedores da trajetória artística de Rosângela, o relato é muito significativo de suas emulações imagéticas.

Esta edição nos traz a rica experiência do livro dentro do campo fotográfico como uma fenomenologia do encontro, seja fortuito, afetivo e intelectual, e também como um novo lugar, um reencontro depois de anos, com obras que marcam processos de conhecimento e criação dos autores convidados. Agradeço sinceramente aos participantes dessa edição.

Fernando de Tacca.

fecharExpediente Studium 41
ISSN: 1519-4388
Junho 2019

Foto da capa: Yukio Mishima, no livro Barakei / Killed by Roses, de Eikoh Hosoe (Tokyo: Shueisha, 1963)
Arte da capa: Ivan Avelar

Equipe Studium:
Coordenação Editorial: Fernando de Tacca (UNICAMP)
Comissão Editorial: Iara Lis Schiavinatto e Mauricius Farina
Assistente Editorial: Paula Cabral Tacca
Consultoria Bibliográfica: Maria Lúcia N. D. Castro
Revisão: Ieda Lebensztayn
ß-tester PC: Rogério Simões da Cunha
Assistente de Editoração Eletrônica: Vivian Cabral
Suporte Técnico e Programação: Daniel Roseno da Silveira
Lygia Neri [in memoriam]: criação e design originais
Webmaster e designer: Ivan Avelar

Conselho Editorial:
Adilson Ruiz
Eduardo Castanho
Francisco da Costa (FUNARTE/RJ)
Haenz Quintana Gutierrez (UFSC)
Hélio Lemos Sôlha (UNICAMP)
Helouise Costa - (MAC/USP)
Joel La Lana Sene; (USP)
Luiz Eduardo Robinson Achutti (UFRGS)
Massimo Canevacci - (Universidade La Sapienza, Roma)
Maria Eliana Facciolla Paiva - (ECA/USP)
Milton Guran ( Cândido Mendes/RJ)
Rubens Fernandes Junior (FAAP/SP)

Laboratório de Media e Tecnologias de Comunicação
Depto. de Multimeios / Instituto de Artes da Unicamp